Durante a pandemia do COVID-19, muitas coisas mudaram: algumas barreiras foram quebradas, novos métodos de trabalho foram criados e novos hábitos de consumo e de vida foram adicionados e consolidados.

Em relação à limpeza e higiene não foi diferente e tivemos uma grande evolução. Afinal, as pessoas estão mais atentas e preocupadas em reduzir os riscos de contaminação tanto em casa, quanto no trabalho.

Neste contexto, entra em cena o dispenser automático. Muitas pessoas começaram a buscar por esse produto como forma de garantir uma maior eficiência na higiene das mãos. Mas, será que esse é o caminho certo?

Fique conosco para entender!

Dispenser automático ou “Touch Free

O dispenser automático consiste em um aparelho que armazena e libera, de modo automático e sem a necessidade de toque, determinada quantidade de produtos. Tais como: papel toalha, sabonetes e álcool gel.

Certamente as recomendações que temos são de evitar contato com tudo que possa estar infectado, sejam torneiras, saboneteiras, toalheiros, dispensadores, mesas, balcões, etc. Por isso, houve um aumento de busca por esses equipamentos, pois as empresas desejam proteger seus clientes e funcionários no maior nível possível.

Higiene das mãos – Quem Entende do Tema?

Já não é segredo para ninguém que as mãos são as principais transmissoras doenças, afinal elas são os vetores que levam, de uma superfície para outra, os vírus e as bactérias.

Em suma, o segmento que é mais afetado pela falta de higiene das mãos é o segmento hospitalar. Afinal, qualquer descuido pode trazer consequências drásticas. Por isso, vamos nos basear nele para tratar deste assunto.

Ainda que se saiba de todos os perigos e da importância da desinfecção das mãos, existe a necessidade de realizar campanhas de higienização das mãos dentro dos hospitais. Isso para aumentar a adesão a regra de lavar as mãos e de usar o álcool em gel.

Essa necessidade pode parecer estranha ao ao ler, pois, todos imaginamos ser natural o uso destes produtos no segmento da saúde, mas o tema não é assim tão simples.

Os motivos pelo qual os profissionais não usam o álcool gel na quantidade de vezes que deveriam usar são variados. Porém, vamos nos deter aqui especialmente na qualidade e quantidade do sabonete, do álcool, do papel toalha e dos dispensadores desses insumos.

Fique conosco para entender melhor!

Dispenser Automático & Insumos – Qualidade

Tanto os profissionais de enfermagem, quanto diretores clínicos, infectologistas e a própria ANVISA concordam que a qualidade do álcool gel e dos dispensadores, influência em muito o seu uso em tais ambientes.

Da mesma forma e no sentido inverso, a baixa qualidade e baixa quantidade dos materiais desestimulam o uso. Assim, alguns fatores que podem desestimular são:

  • Falta do dispenser com o produto próximo aos profissionais;
  • Entupimento do dispenser, o que impede a utilização correta do produto;
  • Mãos encontram-se ressecadas e/ou machucadas devido ao alto nível de utilização e baixa qualidade do produto utilizado;
  • Produto deixa resíduos nas mãos, deixando-as pegajosas;
  • Qualidade duvidosa do produto;
  • Medo de colocar a mão em locais onde outras pessoas já tocaram anteriormente;
  • Secadores de mãos ou outros equipamentos que contribuem a uma maior proliferação de vírus e bactérias no ambiente.

Dispenser Automático Garante Saúde? A resposta é Não Garante a Saúde!

 Sobre Saboneteiras Eletrônicas

Em suma, tocar na saboneteira para extrair sabonete líquido ou espuma é a segunda parte do processo de lavar as mãos, sendo a primeira parte abrir a torneira e molhar as mãos.

Portanto, seja o dispenser “touch free” ou não, ainda temos que esfregar as mãos e enxaguá-las muito bem para concluir a lavagem, o que certamente tem maior peso do que o “no touch”.

Veja aqui como higienizar as mãos corretamente.

Além disso, ter um sabonete que hidrata as mãos e limpa-as profundamente é mais importante para o processo. Da mesma forma, ter um sistema descartável de refil de sabonete também faz parte da higiene bem-feita, tanto que hospitais sempre fazem uso desses sistemas descartáveis!

Sobre Toalheiros

Por outro lado, acionar os toalheiros para a secagem das mãos é o processo final da higiene e tocá-lo não faz muito sentido mesmo. Afinal de contas, acabo de lavar as mãos e agora toco em um equipamento que já foi tocado por outras pessoas?

É bem verdade que existe no mercado, alavancas e botões com nano partículas de prata que garantem a proteção contra bactérias. Mas nos toalheiros nem sempre enxergamos essas peças e fica difícil garantir que esteja ativo.

Além de não ser bom tocar no porta papel toalha, a qualidade do papel, se não for de boa procedência, também compromete a higiene final!

Toalheiro automático ou com sensor não é a única opção higiênica!

Inegavelmente, utilizar uma toalha de papel de boa qualidade, que seja firme o suficiente para não nos obrigar a tocar no toalheiro é uma saída perfeita e econômica! Entretanto, se ainda assim não for possível, utilizar um álcool gel após tocar no dispenser é uma boa saída.

Sobre Sabão de Álcool Gel ou simplesmente Álcool Gel 

Dispensador automatico

O site, Infection Control Today, apresentou um estudo que afirma que 30% das pessoas utilizam o álcool em gel quando ele se encontra disponível em sistemas automáticos e eletrônicos. Entretanto, o volume de pessoas que não usaram nenhum dos sistemas é muito grande e manteve-se alto, mesmo com o dispensador eletrônico.

“Os pesquisadores concluíram que, embora o tipo de sistema de distribuição (manual ou eletrônico) influencie o comportamento da higiene das mãos, a adesão geral permaneceu baixa e que, para que as intervenções tenham um efeito importante na higiene das mãos, vários fatores devem ser considerados.”

Deste modo, utilizar um sistema de dispenser de álcool gel automático é certamente muito tecnológico e atrai mais adeptos de forma fácil.

Porém, é importante ressaltar que a desinfecção das mãos irá acontecer por último, apenas quando o álcool já estiver nas mãos.

Certamente de nada adianta ter um sistema automático ou um totem de álcool e utilizar um álcool 70 para as mãos de baixa qualidade.

Por isso, pense nisso: um dispenser de álcool em gel manual é simples de usar e garante a mesma eficiência na desinfecção das mãos que os dispensadores eletrônicos.

Portanto, que tal considerar economizar no aparelho eletrônico e investir na qualidade do álcool e assepsia do sistema, que pode ter um refil descartável e de fácil manutenção?

Conclusão

Atuamos na área de higiene e limpeza há mais de 24 anos e nos sentimos na responsabilidade de alertar e conscientizar nossos clientes no tocante a necessidade de higienizar mãos e superfícies.

Da mesma forma, também apoiamos a necessidade de investir em insumos de maior qualidade, ao invés de investir em sistemas eletrônicos que não garantem necessariamente a proteção para o pessoal de nossos escritórios, empresas, escolas, academias, lojas, etc. tal como pensamos ou ouvimos.

Por isso, reflita sobre isso na sua próxima compra e conte-conosco para ajudá-lo.